Premiados ausentam-se dos Prémios da Cultura em protesto polas políticas da Junta

Em apoio dos profissionais das artes cénicas e musicais

Sexta, 22 Fevereiro 2013 08:44

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

O pessoal das artes cénicas e musicais mobilizou-se toda a semana na Cidade da Cultura

PGL - A agrupaçom teatral Ariños de Asados (Rianjo) e a Asociación Internacional de Estudos Galegos remetêrom para o Portal e outros meios de comunicaçom comunidados anunciando que nom iam participar na entrega dos Prémios da Cultura, cuja cerimónia pública tivo lugar ontem.

O grupo de teatro amador Airiños de Asados, o mais antigo do seu género que fica em ativo na Galiza, foi premiado nategoria de artes cénicas polo trabalho que levam realizando desde a criaçom da agrupaçom em 1933. Contudo, rejeitárom recolher a premiaçom. A razom da sua negativa tem a ver com os cortes da Junta no setor das artes cénicas. Precisamente, os profissionais do setor levam toda a semana mobilizando-se na Cidade da Cultura —cenário da entrega destes prémios— contra os cortes e contra os reiterados atrasos nos pagamentos de subvenções e faturas.

Por sua parte, a AIEG, com perto de 200 sócios, declinou participar na entrega dos prémios por razões similares: apoiar os trabalhadores e trabalhadoras das artes cénicas. A AIEG fora galardoada na categoria de promoçom cultural. Para a diretiva da associaçom, «os recentes e acontecimentos que estám a ter lugar estes dias na Cidade da Cultura», e concretamente, «os confrontos entre a polícia e um grupo de profissionais das artes cénicas e musicais que se manifestavam em contra o desmantelamento da cultura galega e para exigir responsabilidades políticas», motivam a decisom.

Mobilizações e denúncias

Como inidcado, o pessoal das artes cénicas e musicais leva toda a semana mobilizando-se na Cidade da Cultura, sede da Agência Galega das Indústrias Culturais (AGADIC). Denunciam constantes atrasos nos pagamentos desde 2010, e cortes no orçamento público superiores a um milhom de euros. Lamentam que, nesta situaçom, a Junta se negue a recebê-los, e mesmo que lhes tenha proibido utilizar espaços públicos como o Salom Teatro para realizar umha assembleia setorial.