Acusam de «galegófobo» o assessor jurídico de Muros e pedem a sua destituiçom

Quarta, 10 Abril 2013 08:53

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

PGL - A Mesa acusa de «galegófobo» o assessor jurídico do Concelho de Muros e pede a sua destituiçom polos factos revelados por um vídeo que circula na internet. Nele, esta pessoa pede num juízo para que as declarações se realizem em castelhano pois, segundo a sua versom, desconhece o galego.

Para o presidente da Mesa, Carlos Callón, é «insólito»que alguém que cobra do dinheiro público em conceito de assessor jurídico «desconheça um dos pilares do nosso ordenamento jurídico», e assinala que os factos recolhidos no vídeo seriam parte de um comportamento freqüente que já causou protestos de vizinhos e vizinhas de Muros.

No mesmo vídeo em que o assessor jurídico alega nom conhecer o galego quando quem falam som pessoas da parte contrária, vê-se como as suas testemunhas falam galego e nom parece ter problemas de compreensom, o que mesmo provoca que o juiz o «parabenize» sarcasticamente polos seus progressos.

Estas situaçons levárom o ex-concelheiro Xosé Ramón Farinós a pedir a destituiçom do assessor jurídico por «inepto» ou por «fascista». No primeiro dos casos, por nom ser capaz de entender os vizinhos e vizinhas para quem trabalha e, na segunda hipótese, por utilizar a sua posiçom na Cámara municipal para impedir o uso do galego. Como costuma acontecer neste tipo de situaçons, a pessoa criticada reagiu denunciando a quem exige o cumprimento da legalidade: o assessor jurídico denunciou Farinós e pede umha indenizaçom de 50.000€.

JavaScript is disabled!
To display this content, you need a JavaScript capable browser.