Xoán Curiel recebe prémio ao melhor disco em galego

«Eu sou a minha produtora, a minha discográfica e a minha agência de management», salienta o artista

Quarta, 19 Junho 2013 12:39

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

PGL - O disco Magnético Zen, de Xoán Curiel, foi distinguido com o prêmio ao melhor álbum em galego nos V Prémios da Música Independente. «É um momento importante na minha carreira», aponta o artista, que descreve o galardom como «reconhecimento ao trabalho duro de vários anos» e agradece tanto a distinçom como o labor dos artistas que colaborárom com ele e fizérom possível o trabalho.

Estes prémios, de âmbito estatal, entrega-os a Uniom Fonográfica Independente, entidade constituída há já uma década para representar a produçom fonográfica diante das instituições e organismos de todo mundo.

Para Xoán Curiel, «é um prazer» ser distinguido pola produçom fonográfica independente, pois trata-se «um labor surdo do que nom se tem notícia, que nom tem tanto glamour» e que obriga a muito trabalho. «Eu sou a minha produtora, a minha discográfica e a minha agência de management», resume. De facto, só intervém outra empresa, Inquedanzas Sonoras, na distribuiçom dos discos, e colaborou ocasionalmente com agências ou produtoras como Nordesía, Imperdible Servizos Culturais ou Non Si.

Curiel salienta a grande qualidade das propostas com que concorria, o que lhe dá «mais valor se cabe» ao prémio. Nomes como «Telephones Rouges e Terbutalina, aos que ainda nom tivem oportunidade de ver em direto, e os meus queridos Uxía e Sérgio Tannus, com trabalhos tam intensos como Andando a Terra ou tam lindos e divertidos como Maria Fumaça», aponta.

Após receber o prémio, o próximo concerto de Xoán Curiel será o próximo 9 de agosto em Carvalho, e aproveita para reivindicar a música galega e pedir às organizações dos concertos que dêem uma oportunidade «ao que têm mais perto, as nossas criações, porque podem levar agradáveis surpresas».

Por último, lembra que continuará trabalhando nos diferentes projetos que mantém abertos: Novas, a promoçom de Magnético Zen e o iminente Tres Mares, com Joseba Gotzon e Josep Teró, que verá a luz em forma de disco a finais deste ano.