Universidades de Galiza e da Região norte de Portugal projetam “Erasmus” próprio

Viriam beneficiar deste programa os estudantes das três universidades galegas

Quarta, 06 Novembro 2013 09:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

PGL - O presidente da Junta de Galiza e o presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional do Norte de Portugal (CCDRN) deram novo impulso ao projeto para criar uma espécie de “Erasmus” de apoio à mobilidade e intercâmbio de estudantes de licenciatura e mestrado. As entidades envolvidas já procuram nesta altura uma instituição bancária que garanta empréstimos suficientes para todos os candidatos.

Viriam beneficiar deste programa os estudantes das três universidades galegas – Santiago de Compostela, Vigo e a Corunha – e das três universidade públicas do Norte de Portugal – Porto, Minho e Trás-os-Montes e Alto Douro (UTAD). Os líderes regionais confiam em que a mobilidade dos universitários fomentará a cooperação e a identidade na euro região. O intercâmbio “pode ser uma semente germinadora do nosso futuro comum”, declarou Emídio Gomes, presidente da CCDRN.

Os responsáveis da Junta de Galiza e da CCDRN tencionam alargar depois o programa de mobilidade à região de Castela e Leão para desse modo relançar também a Macro-região do Sudoeste Europeu (Resoe). Esta entidade, idealizada em 2010 e representativa de nove milhões de pessoas, seria a primeira do género na Península Ibérica e poderia disputar fundos comunitários europeus já no período 2014-2020.

Tanto o reitor da Universidade do Porto como o reitor da Universidade do Minho, que também preside outra instituição que reúne universidades dos dois lados da fronteira, a Fundação CEER, manifestaram o seu apoio à iniciativa de intercâmbio de alunos.