O juiz decano da Corunha denuncia o presidente da Mesa

O magistrado já tinha denunciado a um homem que solicitou receber as notificaçons em galego e com a toponímia oficial

Sexta, 12 Junho 2009 01:52

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Antonio Fraga Mandián, juiz decano da Corunha

PGL - Antonio Fraga Mandián, juiz decano da Corunha, denunciou o presidente da Mesa pola Normalizaçom Lingüística, Carlos Callón, por um delito de calúnias ou injúrias. A Mesa entende que a acusaçom é devida a umha campanha contra o nosso idioma e umha demonizaçom da organizaçom.

O motivo da denúncia som as declaraçons realizadas polo dirigente da Mesa depois de Fraga Mandián denunciar um vizinho da Corunha, Eduardo Álvarez, que pedira receber as notificaçons em galego e com o topónimo oficial.

O juiz, que respondeu aos meios de comunicaçom antes do que ao vizinho, negava-lhe os direitos e considerava o emprego de "La Coruña" (na missiva e no carimbo) como um «erro ortográfico». Ademais fazia público o nome do denunciado sem o seu consentimento, segundo ele próprio denunciou.

Além disso, a Mesa lembra que naquele primeiro juízo, realizado dous anos atrás, produzírom-se «um cúmulo de irregularidades que favoreciam descaradamente o denunciante», pois quem denunciava era um juiz, e a juíza que tinha que resolver, tinha umha relaçom de dependência e de subordinaçom governativa com o magistrado, segundo a entidade normalizadora.

Passados já dous anos, o magistrado continua a escrever com as mesmas 'gralhas' ortográficas, pois o escrito que agora apresenta volve estar assinado em "La Coruña", razom pola que Callón pergunta publicamente «por que ao senhor Fraga Mandián só parecem valer-lhe as leis que lhe som úteis: bota mao das que lhe permitem denunciar por supostas calúnias ou injúrias, mas fai caso omisso doutras, como as que regulam os topónimos oficiais, tanto por umha lei autonómica de 1983 como por umha estatal de 1998».

Carlos Callón está chamado para comparecer o dia 17 deste mes às 12 horas nos julgados de Santiago de Compostela. Para esse dia e no mesmo lugar, da Mesa convocam umha concentraçom de apoio.

 

+ Ligações relacionadas: