Google Chrome... na nossa língua

Internet com mais rapidez, eficácia e segurança

Quarta, 03 Setembro 2008 01:58

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

PGL - Google acaba de lançar um novo navegador para internet, o Google Chrome, que pode ser descarregado gratuitamente em mais de quarenta idiomas, entre eles o nosso nas suas variantes portuguesa e brasileira. A versom beta lançada está ainda em fase de provas; por enquanto funciona em plataformas Windows, embora preveja disponibilizar versons para Mac e Linux; e é em código aberto, utilizando componentes do Webkit da Apple e do Firefox da Mozilla.

Da Google afirmam que o Google Chrome nom é um simples navegador, mas umha «plataforma moderna para aplicaçons e páginas web», pensada para a rede tal como ela é hoje em dia. O Google Chrome destaca pola sua eficácia, rapidez e segurança, se comparado com outros navegadores, e é apresentado num desenho simples e sem obstáculos, chamando a atençom que os separadores surgem na parte superior, acima do navegador.


Algumha das principais novidades do Google Chrome podem ser acompanhadas através de um pequeno vídeo, também disponibilizado em versons brasileira e portuguesa. Umha das diferenças mais destacadas a respeito de outros navegadores é que o Chrome trata cada separador independentemente, de forma que, se houver umha falha nalgum deles os outros nom se verám afectados.

Google Chrome incorpora também serviços de Google como o GMail ou o Calendar; inclui a tecnologia de procura de Google que possibilita, por exemplo, pesquisar entre os sítios visitados sem necessidade de fazer um favorito; também contém um motor java capaz de interpretar as aplicaçons web com mais rapidez e eficácia, e trava todas as janelas emergentes, agrupando-as num ícone na parte de embaixo do programa, caso o internauta queira verificar as mesmas.

O Chrome apresenta, igualmente, alguns sistemas de segurança para evitar, no possível, que programas maliciosos possam modificar o sistema operativo ou os documentos do utilizador e, além disso,  «precisa menos memória e é especialmente eficaz com os processadores de duplo núcleo», segundo afirmam.