Iniciativa de promoçom do galego na ciência

A campanha está de plena atualidade, pois o decretaço obrigará a ministrar em castelhano as matérias científicas no ensino nom universitário

Quarta, 02 Junho 2010 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

Diferentes especialistas colaboram na campanha

PGL - As três universidades da Galiza promovem umha campanha para fomentar o uso da nossa língua. Parte da iniciativa é o site web engalegotamensefaiciencia.eu, no qual aparecem testemunhos de diferentes profissionais defendendo a utilidade do galego em todos os âmbitos, também o científico.

Das universidades assinalam que o objetivo principal é transmitir "que o galego se pode utilizar para fazer ciência e comunicar ciência", além de "derrubar preconceitos injustificados".

A campanha está de plena atualidade, pois é necessário lembrar que o decretaço contra o galego promovido pola Junta, obrigará a ministrar em castelhano as matérias científicas no ensino nom universitário.

Atualmente, só os 12% do pessoal docente investigador da Galiza utilizam a nossa língua total ou parcialmente no seu labor, razom pola qual a campanha procurará sensibilizar na ideia de que o uso do galego na ciência deve ser considerado algo normal.

Na página web da iniciativa recolhem-se testemunhos de profissionais como o engenheiro e ex presidente da AGAL Xavier Alcalá, a também engenheira Edita de Lorenzo, o físico Jorge Mira ou o genetista Anxo Carracedo.

Manual de Galego Científico

A defesa do galego na ciência nom é algo novo, mas sim a sua promoçom na internet. No entanto, um aspeto igual de importante é o uso correto da língua na produçom científica. Neste âmbito tem grande importância o labor do doutor Carlos Garrido, presidente da Comissom Lingüística da AGAL, graças ao seu Manual de Galego Científico e a outras obras especializadas.

O Manual de Galego Científico endereça-se, por um lado, a redatores técnicos —isto é, tanto a profissionais, investigadores, docentes e estudantes no campo das ciências experimentais, como a tradutores e jornalistas—, aos quais convém um bom domínio da linguagem científica como instrumento para a produçom de textos especializados. No entanto, também se destina a lingüistas, professores de galego e estudiosos da língua em geral que queiram reflectir sobre umha matéria interdisciplinar verdadeiramente rica e interessante.

 

+ Ligações relacionadas: