"Desrespeito e humilhaçom" cara ao galego por parte de um site do Jacobeu

Pessoas que reclamárom uso do galego em Xacobeoimporta.com recebêrom respostas ofensivas

Segunda, 20 Setembro 2010 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

PGL - Carme Adán e Bieito Lobeira, do Grupo Parlamentar do Bloco Nacionalista Galego, denunciárom a "exclusom e defenestraçom" da língua galega demonstrada polos responsáveis do Jacobeu para com o galego, pois um dos sites do Caminho, Xacobeoimporta.com, aparece na íntegra em espanhol.

Para o BNG, trata-se de um comportamento "consciente e deliberado", e lamentam que houvo casos em que pessoas interessadas na galeguizaçom dos conteúdos, pedidos apresentados por escrito, recebêrom umha resposta "surrealista, e ao tempo, humilhante para a Galiza e o seu idioma próprio, o galego".  A referida resposta é que a página está em espanhol e nom em galego "em funçom da gente de fora da Galiza que nom percebe o galego".

A afirmaçom colide directamente com a lógica e a normalidade dum idioma, mesmo com a praticidade da web, pois que ignora umha parte importante dos usuários potenciais do Portal, muitos dos quais som os próprios habitantes do território em que se atopa o símbolo mesmo do acontecimento que constitui o Jacobeu, lembram do BNG.

No documento entregado à mesa do Parlamento por Lobeira e Adán, ironiza-se sobre a o "tamanho atrevimento do Papa Bieito XVI, quem -polos vistos- vai utilizar o galego na alocuçom prevista para a sua próxima visita a Galiza neste Jacobeu, ignorando, se calhar, que entre os e as assistentes provavelmente se encontrem oriundos nem só de Salamanca, Palência ou Madrid, mas também de Budapeste, Shangai ou Kiribati".

Os nacionalistas reclamam que o Jacobeu seja concebido "como instrumento de projecçom internacional, desacomplexada da existência da Galiza e da sua cultura, nunca como obstáculo para essa finalidade, mesmo vulnerando os nosso direitos lingüísticos no próprio País."



+ Ligaçons relacionadas: