Ministério espanhol da Cultura exclui o galego e espanholiza a toponímia da Galiza

Segundo o Ministério, o uso de topónimos espanholizados é «normal»

Terça, 23 Agosto 2011 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

A ministra espanhola da Cultura, Ángeles González-Sinde

Diário Liberdade - A ministra espanhola da Cultura, Ángeles González-Sinde, aposta na espanholizaçom forçada da toponímia galega e exclui o galego do seu sítio na rede 'España es Cultura".

A informaçom foi publicada polo Xornal, que afirma que a presença de topónimos barbarizados como 'Puebla de Trives', 'Villalba' ou 'Los Corrales de Serantes' provocou um pedido de explicaçons ao departamento de Cultura do atual governo espanhol, em maos do PSOE. A resposta do porta-voz do Ministério foi que o uso desses topónimos espanholizados era "normal", apesar de que a legislaçom espanhola estabelece que, no caso da Galiza, as formas galegas som as únicas reconhecidas.

O incumprimento dessa norma em favor da espanholizaçom dos nomes de lugar galegos tem sido umha constante ao longo da história da imposiçom do espanhol sobre o galego, daí que o Ministério poda até considerar esse facto "normal". Porém, nos últimos anos parecia existir umha incipiente vontade de respeitar a toponímia galega, talvez devido à insistência no tema por parte do deputado Francisco Rodrígues durante os anos que estivo representando o BNG no congresso espanhol.

No entanto, a tendência assimilista historicamente dominante volta a impor-se de maneira "normal", e o Ministério da Cultura nom só espanholiza a toponímia galega, como exclui a versom em galego do seu sítio, confirmando as teses independentistas galegas, que afirmam que, de facto, a Galiza, a sua língua e a sua cultura sempre ficárom fora da configuraçom da identidade e do projeto nacional espanhol, por mais que o autonomismo insista em homologar a Galiza aos perfis da espanholidade.

O Departamento de González-Sinde voltou a pôr os pontos nos is, excluindo a Galiza do espaço virtual da cultura espanhola no mundo.