Disponível na internet o Arquivo do Património Oral da Identidade

Os primeiros fundos do APOI fôrom cedidos polos cantores Míni e Mero

Sexta, 26 Junho 2009 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

O APOI nasce como instrumento de recolhida sistemática» do nosso património oral

PGL - Já está disponível para consulta livre na internet o Arquivo do Património Oral da Identidade (APOI), umha iniciativa que surge como evoluçom do projecto Sons e Vozes da Identidade, programa de digitalizaçom, catalogaçom, estudo e difusom deste património que iniciou em 2007 o Museu do Povo Galego (MPG).

Do APOI asseguram que «estamos frente um intento de que a obra de umha instituiçom [o MPG] poda viver e crescer por si própria, porque a fagam medrar os seus usuários», já que é um projecto aberto à colaboraçom cidadá.

De facto, os primeiros fundos fôrom cedidos polos cantores Baldomero Iglesias (Mero) e Xosé Luís Rivas (Míni), quem cedêrom ao MPG o seu arquivo de gravaçons sob a condiçom de estas serem disponibilizadas de forma livre para o mesmo povo do qual saírom. Quando estiver completa a digitalizaçom e transcriçom das gravaçons por eles cedidas, o APOI fará o mesmo com o resto de achegas que vaia recebendo.

O APOI nasce como instrumento de «recolhida sistemática» do nosso património oral, «devidamente ordenados e classificados com uns critérios técnicos que permitam o acesso a investigadores, gestores, criadores e promotores culturais», explicam na web do projecto. Graças a este labor de conservaçom, ordenaçom e divulgaçom visam potenciar dous valores, o associativo (na medida em que se conservam aspectos do imaginário e valores do grupo) e o informativo (pois convertem-se em documentos aptos para a investigaçom e a difusom cultural).

Algumhas dificuldades com que se tenhem encontrado é o estado de conservaçom dos materiais, sobretudo das cintas magnéticas, o qual está a exigir um importante trabalho de restauraçom digital, pois mesmo há fitas «que nom ressistiriam mais d eumha ou duas audiçons sem se agravar o seu estado de maneira irreversível».

 

 

 Peça "Cala, meu neninho, cala", recolhida por Mero em Messia (1977)

[Transcriçom e partitura em PDF]

 

+ Ligaçons relacionadas: