O rascunho do decreto do galego, analisado no Correio do Minho

Correio do Minho apoiou a greve do ensino que paralisou ontem as aulas do País

Sexta, 22 Janeiro 2010 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

António da Costa Guimarães

PGL – O director de conteúdos do jornal Correio do Minho, Costa Guimarães, publicou ontem, com motivo da manifestaçom que paralisou as aulas da Galiza, um artigo no que analisa a desprotecçom que terá a língua galega com o novo decreto do plurilingüismo.

No artigo, Guimarães chama o rascunho de «obscuro decreto» e explica que este «constitui um passo atrás no uso do Galego no ensino e um golpe mortal nos direitos dos professores não universitários», já que «o Galego apenas pede igualdade de oportunidades e de meios humanos e técnicos para o seu ensino nas escolas da Galiza».

Nesta linha, o autor luso explica: «Este decreto permite que, no ensino pré-primário e primeiro ciclo, os meninos e meninas da Galiza que não conheçam o Galego, cresçam em 'britânica' ignorância sobre esta Língua multissecular».

Finalmente, o artigo conclui com uns versos que falam do relacionamento cultural entre a Galiza e a regiom lusa do Minho:

“A Galiza mai-lo Minho

são como dois namorados,

que os pais querem separados.

Já que não podem casar,

Deixai-los ser namorados”.


+ Ligaçons relacionadas: