Adulteração de contos clássicos ‘à moda do Porto’

O livro inclui um 'dicionário do caraças' da gíria e do calão do Porto

Quarta, 27 Janeiro 2010 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

PGL Portugal – Acaba de ser publicado um livro criado por um grupo de alunas do curso de Animação Turística que reúne vocábulos e expressões da linguagem usada na cidade do Porto. O livro faz revisão de alguns contos clássicos adaptando-os para a linguagem actual usada na Invicta.

Deste modo, contos como A Branca de Neve e os Sete Anões transformam-se no livro Heróis à Moda do Porto em A Geninha da Branca e os Sete Traficantes ou O Capuchinho Vermelho renascer em A garina da Sé.

O livro nasceu de uma oficina de escrita criativa do curso de Animação Turística para adultos da Ufizi, da mão de 14 alunas. Nesta linha o docente explica: «O livro foi criado no módulo de Culturas de Urbanismo e Mobilidade por um grupo de mulheres, com idades entre os 20 e os 50 anos, que vêem neste curso a oportunidade de concluir o 12.º ano». No entanto, a proposta acabou por «superar as expectativas», elogiou o orientador do trabalho, que valorizou a mija de ter lidado com um conjunto de pessoas «bastante dedicadas».

Para além do glossário da gíria e do calão da cidade lusa, Heróis à Moda do Porto reúne também sete contos que têm por cenário de fundo diversos ambientes da cidade. Assim começa a adaptação tripeira da história da Branca de Neve:

«Há bué bué de tempo, uma garina chamada Geninha, conhecida na zona por Geninha da Branca, habitou o Parque da Cidade, um lugar cheio de relva, pássaros, lagos com peixes, um ambiente muito agradável, na cidade do Porto»

Segundo Ângela Ramalho, de 25 anos -que dividiu a autoria do texto com Sandra Almeida-, a narrativa descreve «uma traficante que conta com a ajuda de mais sete traficantes, os tradicionais sete anões».

Se para algumas alunas o trabalho de adaptação da linguagem tornou-se num «desafio difícil», outras socorreram-se das músicas dos Da Weasel para «apanharem muito do calão».