Apresenta-se publicamente na rede a revista digital “Pensar e Axer”

A revista será redigida integramente em galego oficialista, respeitando os contributos redigidos na grafia internacional

Segunda, 01 Fevereiro 2010 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

A publicaçom está editada pola AC Guieiro

PGL – Hoje, dia 1 de Fevereiro, acaba de ser lançada publicamente a revista Pensar e Axer. A publicaçom, que se define como revista de pensamento marxista e nacionalista galego está editada pola Associaçom Cultural Guieiro.

Os princípios e finalidades da revista fôrom apresentados sob a forma de um manifesto editorial no que com o título Pensar e Axer se afirma que o seu objectivo é o de «achegar, com humildade, chaves para o pensamento crítico en favor da liberaçom nacional e social dos povos, principiando pola nossa naçom: Galiza» com o intuito de «colaborar no processo de conscienciaçom social a favor da alternativa transformadora em benefício das classes trabalhadoras do nosso país, que representa o movimento nacionalista galego».

A necessidade que impulsionou a criaçom da revista é, segundo destacam os seus promotores, a de «abordar o processo de superaçom do actual estado de cousas, no âmbito das ideias».

Contra-informaçom, análise e opiniom, serám os eixos vertebrais da revista, que se actualizará de maneira regular e permanente. Xabier Pérez Igrexas, militante nacionalista e colaborador de opiniom em diversos mídia -ademais de Presidente da A.C. Guieiro-, será o Director da mesma.

No manifesto editorial destacam também que a publicaçom recolherá de modo permanente «informaçons, análises e propostas que tenham a ver com a realidade de outros povos e nomeadamente com as alternativas transformadoras que neles actuem”.

Em galego oficialista e português

A revista publicará-se integramente em língua galega na sua variante oficialista, mas as colaboraçons e textos extraídos de meios redigidos na variante internacional da língua galega serám respeitados. Os promotores da iniciativa destacam que optarám por publicar em português os textos assim redigidos «atendendo a nossa inserçom no sistema lusófono».