Polémica sobre cancelamento de jornal em português em Andorra

O jornal terá de ser bilingue

Segunda, 08 Março 2010 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

PGL Portugal – Uma decisão do Governo de Andorra de proibir a edição de um jornal exclusivamente em Português, onde a língua oficial é o catalão, está a causar polémica e divide as opiniões no Principado.

O objectivo era lançar esta semana, para coincidir com a visita ao principado do Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, a primeira edição do LusoJornal Andorra, uma versão local da publicação congénere já editada na França e na Bélgica.

O LusoJornal Andorra Seria um periódico em português, com 16 páginas e publicação quinzenal que tinha como público-alvo os cerca de 14 mil portugueses que vivem e trabalham em Andorra.

Na semana passada, porém, e dias depois dos convites para o lançamento terem sido enviados, José Luis Carvalho, ex-conselheiro das Comunidades e director da empresa que pretendia lançar a publicação, disse ter sido contactado pelo Diretor de Política Linguística do Governo Andorrano, que explicou que o jornal teria que ser, no mínimo, bilíngue.

«Foi uma decisão que nos surpreendeu. Tivemos que cancelar tudo. O jornal era para ser em português e torná-lo bilingue representaria mais custos. Para o podermos lançar, teríamos que acatar a decisão da entidade que controla o uso adequado do catalão em Andorra. Esta é a primeira prioridade do gabinete de Política Linguística», explicou Carvalho. Mas em Andorra há quem tenha outra opinião.

Juli Barrero é director da revista mensal bilingue Voz Lusa, já com 60 edições e cinco anos de vida, e explicava à Agência Lusa que publicar textos em catalão «é um elemento integrador, que garante que a revista não se torna numa revista de gueto. Queremos ser uma voz da nossa comunidade, da nossa língua, mas com o elemento integrado que é a língua oficial, que os outros também falam», explicou.

 

+ Ligaçons relacionadas: