CEPAE publica o diário 'perdido' da viagem de Cornide por Espanha e Portugal em 1772

O objeto desta obra é dar a conhecer a parte dos diários da viagem de José Cornide pola península ibérica e que se criam perdidos

Quinta, 28 Abril 2011 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

PGL - O Centro de Património da Estremadura (CEPAE) publicou O Diário 'Perdido' da Viagem de José Cornide por Espanha e Portugal em 1772, que deste modo recupera parte dos diários da viagem do polígrafo corunhês pola península ibérica e que se criam perdidos.

José Cornide de Saavedra (1734-1803), membro sobranceiro do Esclarecimento galego, regedor de sua cidade natal, fundador de importantes instituiçons (Sociedade Económica de Santiago, Sociedade Económica de Lugo, Academia de Agricultura do Reino da Galiza) com o alvo de a Galiza deixar de ser “um país de Índias”, realizou inúmeros estudos sobre história, geografia e economia, principalmente da nossa terra. A sua obra Estado de Portugal no ano de 1800, publicada muito depois, é um informe do seu labor de espionagem do estado defensivo e a situaçom interna do país lusitano elaborado por encargo de Godoy.

A partir do diário que se conserva na Biblioteca Nacional de Portugal, em Lisboa, Mário Rui Simões realiza neste trabalho um excerto da passagem de José Cornide polos atuais concelhos de Pombal, Leiria, Marinha Grande, Batalha, Porto de Mós, Alcobaça, Caldas da Rainha e Óbidos, nos seus périplos na península ibérica entre os anos 1754 a 1801.

Desenvolve-se nesta obra umha ampla e acessível abordagem dirigida a públicos diversificados, ainda sem dispor de conhecimentos científicos e especializados em investigaçons histórico-arqueológicas. Através destas viagens é possível conhecer o historiador e iluminista galego, as caraterísticas essenciais do seu diário, e a realidade das viagens na época em que visitou Portugal pola primeira vez em 1772. Para a leitora ou leitor galego e português interessado na história e na literatura de viagens som de referência obrigada os capítulos terceiro, quarto e quinto, que tratam dos aspetos mais técnicos sobre as caraterísticas do códice 12.895 da Biblioteca Nacional de Portugal. O capítulo 9 vai dirigido sobretudo o conhecimento da Alta Estremadura.

Ficha do livro

  • Autor: Mário Rui Simões Rodrigues
  • Tradutores: Bieito Seivane Tápia e Mário Rui Simães Rodrigues
  • Revisor gráfico: António Manuel Bandeira de Oliveira
  • Editor: Centro do Património da Estremadura (CEPAE)

 

+ Ligações relacionadas: