Primeira Linha vai comemorar cinqüenta números da sua publicaçom trimestral Abrente

A organizaçom comunista e independentista publicou o primeiro número em 1996, passando a partir do número 11 a ser escrito em galego reintegrado

Quarta, 26 Novembro 2008 00:00

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

PGL - A publicaçom partidária de Primeira Linha, nascida no interior do BNG no ano 1996, atingiu neste trimestre o número 50 de saída ininterrupta durante os últimos 13 anos.

Desta forma, há já algum tempo que se converteu na que mais anos e de maneira mais constante se tem mantido em activo, no espectro ideológico do independentismo galego surgido a partir dos anos 70.

Com efeito, Abrente tem saído com periodicidade fixa trimestral desde que existe o partido que o promove, mas abrindo as suas páginas a todo o espectro da esquerda nacional galega e a algumhas das mais reconhecidas personalidades da esquerda internacional durante a última década.

Redigido integralmente em galego, o periódico de Primeira Linha foi escrito durante a sua primeira etapa nos chamados 'mínimos reintegracionistas', até o número 10. A partir daí, quando o BNG caminhava para a assunçom da chamada 'normativa oficial' de orientaçom isolacionista, o colectivo editorial do Abrente deu um passo à frente, assumindo, pouco antes de abandonar o BNG, o padrom proposto pola AGAL nos restantes números até a actualidade.

A partir daí, a leitura do Abrente permite acompanhar a história do independentismo galego durante a última década, nom só através de textos do próprio partido, mas também de outras personalidades do movimento soberanista galego.

Com umha tiragem em papel variável em torno dos 3.000 exemplares, Abrente conta nos últimos anos com umha ediçom digital cada vez mais visitada. Assim, segundo se pode comprovar no ranking do portal de autopublicaçom Issuu, o número 48 atingiu os 40.000 acessos.

Nos seus 50 primeiros números, no periódico Abrente tenhem escrito mais de 130 colaboradores e colaboradoras. Junto aos militantes e dirigentes do partido que o edita, praticamente todas as organizaçons políticas e sindicais do nacionalismo galego, bem como de diferentes entidades sociais, tenhem ocupado as suas páginas. Entre outros colaboradores e colaboradoras, pontuais ou habituais, podem referir-se: Carlos Morais, Camilo Nogueira, Mariano Abalo, Noa Rios Bergantinhos, Carlos Velasco, Ana Barradas, Carlos Taibo, Igor Lugris, Joseba Álvarez, Michael Löwy, Francisco Martins Rodrigues, Henrique Rabunhal, Iñaki Gil de San Vicente, Narciso Isa Conde, Antom Garcia Matos… e um longo et cetera.

Comemoraçom dos 50 números

Com motivo da publicaçom do número 50, Primeira Linha organiza em Compostela umha ceia, no dia 20 de Dezembro, à qual estám convidadas, entre outras, todas as pessoas que já escrevêrom no periódico.

Para a ocasiom, um conhecido local da capital da Galiza acolherá um evento que, além do convívio gastronómico, incluirá a ediçom nom venal de um livro que reproduz todas capas dos números publicados, junto a um artigo seleccionado de cada um deles e um CD com a ediçom em PDF dos números 1 a 50.

A intervençom de várias pessoas significativas nestes anos de história da publicaçom e a música ao vivo completarám a celebraçom, à qual foi convidada, entre outras entidades, a Associaçom Galega da Língua (AGAL).

Toda a informaçom sobre a iniciativa pode ser consultada no site de Primeira Linha.