Lançam primeira BD coeditada entre a Galiza e França

As serpes cegas, de Bartolomé Seguí e Felipe Hernández Cava

Quarta, 24 Dezembro 2008 14:01

Atençom, abrirá numha nova janela. PDFVersom para impressomEnviar por E-mail
Engadir a del.icio.us Compartilhar no Twitter Compartilhar no Chuza Compartilhar no Facebook Compartilhar no DoMelhor

PGL - As serpes cegas, «albume ambientado entre Nova Iorque e Espanha nos anos trinta no qual se misturam elementos de série negra com o retrato político de um dos momentos cruciais do século XX», é a primeira BD coeditada entre a Galiza e França.

A obra, da autoria de Bartolomé Seguí e Felipe Hernández Cava, tem umha tiragem de 2.000 exemplares em galego ILG-RAG e 3.000 em castelhano. A editora francesa Dargaud logo se interessou por este projecto, iniciado com a publicaçom de várias entregas na revista galega BD Banda, sendo que a ediçom em francês já conseguiu um grande sucesso. Depois de se fechar o acordo de parceria, o lançamento conjunto nas três línguas promete tornar o trabalho numha obra de referência entre a banda desenhada editada na Europa.

A obra narra a história de um emigrante que chega a Nova Iorque no ano 1939 na procura de Ben Koch, um homem que descumpriu um pacto. De modo paralelo vê-mos como em Espanha a Guerra Civil está já perdida para os republicanos, que se vêem impotentes para prolongá-la até ao estalido dumha conflagraçom européia que modificará o mundo. Todo o universo dos protagonistas está presidido pela urgência em ajustar, durante esses dias de abafante verão, as suas contas pessoais.

Bartolomé Seguí e Felipe Hernández Cava contam com um amplo reconhecimento estatal no campo da banda desenhada. Além de participar em publicaçons clássicas como Cairo ou El Víbora, Seguí conta com cerca de umha dúzia de albumes (alguns já publicados na França) com títulos coma El sueño mexicano, Cohibas Connection ou Lola y Esnesto. Pola sua vez, Hernández Cava é um nome fundamental da historieta estatal dos últimos trinta anos. Títulos coma Lope de Aguirre: La expiación, Ele artefacto perverso, Berlín,1931 ou os assinados em colectivo coma El Cubri revelam um dos maiores criadores da Península nesta arte.

BD Banda aguarda que este lançamento acarrete um novo passo na popularizaçom da banda desenhada, especialmente na Galiza, e que tenha continuidade em novos projectos. O colectivo anuncia igualmente que continua com os trabalhos para o lançamento do quarto número da sua revista e assinala que mantém a sua colaboraçom com Faktoría K na Colecçom BD Banda, focada num público infantil e juvenil e na qual veio à luz no passado mês de Agosto o albume As aventuras de Archimboldo Roque.